fbpx

Área Fiscal x Área de Controle: saiba a diferença

Antes de tudo, na hora de escolher uma área de estudo para concurso, o futuro servidor percebe que algumas delas, a princípio, têm muitas semelhanças. É o caso entre área Fiscal x área de Controle. Você sabe diferenciar?

“Essas áreas que cuidam de fiscalização, inspeções e auditorias se diferenciam, sobretudo, em razão do objeto que fiscalizam”, resume a auditora de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE- PE) e professora da Folha Cursos, Elizabete Moreira.

A especialista explicou a diferença entre área Fiscal e área de Controle. Também disse se dá para estudar para as duas ao mesmo tempo e qual a melhor estratégia de estudo. Confira!

Fiscal x Controle

Na hora de escolher uma área de estudo para concurso, o futuro servidor percebe que algumas delas, a princípio, têm muitas semelhanças (Foto: Freepik)

Área Fiscal x área de Controle: qual a diferença?

Segundo Elizabete Moreira, na área Fiscal estão os auditores fiscais ou de renda. Eles fiscalizam a arrecadação dos tributos federais, estaduais e municipais. Também atuam no combate à sonegação fiscal por parte dos contribuintes.

Por outro lado, os auditores de controle externo, principal carreira da área de Controle, trabalham nos tribunais de contas.

São órgãos independentes, cuja responsabilidade é dar apoio ao Poder Legislativo nas três esferas, no que se refere a fiscalizações e auditorias de natureza contábil, financeira e patrimonial das contas públicas.

Atualmente, existem 33 tribunais de contas no país.

Nesse sentido, uma área complementa a outra. A área Fiscal cuida da correta arrecadação dos tributos por parte do contribuinte e do cumprimento da legislação trabalhista.

Já a área de Controle é responsável pela correta aplicação desses recursos e a eficaz administração das questões trabalhistas por parte dos gestores públicos. Em ambos os casos, sempre visando à:

  • Legalidade
  • Moralidade
  • Eficiência
  • Transparência
  • Impessoalidade

Área Fiscal x área de Controle: qual a diferença entre os cargos?

Tanto os concursos da área Fiscal quanto os da de Controle são muito concorridos. Além disso, envolvem o conhecimento de muitas disciplinas. Em torno de 12 a 17 matérias.

“Os cargos nessas duas áreas são bastante valorizados e atrativos” afirma Elizabete Moreira. Ambos com status de carreiras de estado e uma estrutura remuneratória satisfatória.

A princípio, a remuneração pode ser diferente, dependendo do órgão. Mas conforme avança a progressão de carreira, em boa parte dos casos, alcança o teto remuneratório constitucional.

Área Fiscal x área de Controle: qual tem a melhor remuneração?

Assim como a professora explicou, a remuneração varia muito entre os órgãos, em ambas as áreas. No entanto, na de Controle, a auditora percebe que a remuneração inicial da carreira é menor.

Mas, à medida que o servidor é promovido, ela tende a alcançar o teto da profissão.

Também pode variar o tempo que o plano de cada cargo permite alcançar o topo. Ainda assim, ela reforça que ambas as áreas são atrativas e bem remuneradas.

No âmbito federal, a remuneração na área Fiscal e na de Controle é muito semelhante. Em conclusão, a variação ocorre mais nas esferas municipais e estaduais. Embora não deixe de ser muito boa.

Área Fiscal x área de Controle: qual concurso é mais fácil?

Segundo Elizabete Moreira, não existe concurso fácil. Ambos são muito concorridos. Além disso, o nível de exigência é altíssimo no que se refere à quantidade de matérias e a profundidade dos temas.

Ao todo, as provas têm mais de 100 questões objetivas. Além das discursivas. Somado a isso, elas são realizadas em turnos ou em dias diferentes.

Por consequência, requer um bom preparo não só mental como físico por parte do candidato.

Dá para estudar para área de Controle e área Fiscal ao mesmo tempo?

Primeiramente, as duas áreas têm várias disciplinas em comum, básicas em editais desse tipo. Por exemplo:

  • Português
  • Direito Administrativo
  • Informática
  • Contabilidade
  • Administração
  • Direito Constitucional

No entanto, algumas matérias aparecem apenas na área Fiscal, como Direito Tributário e Legislação Tributária. O mesmo acontece na área de Controle, com:

  • Administração financeira e orçamentária
  • Auditoria governamental
  • Contabilidade pública
  • Controle externo

Ainda há disciplinas que são imprevisíveis e aparecem alguns editais, como:

  • Direito Civil
  • Direito Penal
  • Contabilidade de custos
  • Economia
  • Estatística

“Acredito que o candidato pode ir se preparando e estudando as disciplinas básicas e comuns às duas áreas”, afirma a professora. “Dependendo da disponibilidade de tempo e das possibilidades de lançamento do edital, deve também focar nas disciplinas específicas.”

Ela não vê como um caminho fácil conciliar os estudos para as duas áreas. Em virtude disso, o ideal é levantar quais as perspectivas de lançamento de edital. Então, focar o estudo em uma delas.

Portanto, a melhor estratégia é conhecer a perspectiva de edital. Assim se antecipar nos estudos para o concurso que seja mais provável de ser lançado.

No entanto, não é difícil migrar os estudos da área de Controle para Fiscal e vice-versa, já que possuem muitas disciplinas em comum. O que ela não recomenda é estudar para as duas áreas ao mesmo tempo, visto que são muitas matérias.

“Para se obter maior eficácia, o melhor é focar em uma das áreas”, conclui.

Comparativos matérias fiscal x controle

Qual a melhor estratégia de estudo?

De antemão, a estratégia básica é começar a estudar antes do edital. Ambos os concursos têm abrangência e aprofundamento grandes.

Portanto, o tempo entre a publicação do edital e a data da prova é curto para dar conta de uma preparação completa.

Também é indicado fazer cursos separados para as disciplinas em que o futuro servidor tenha mais dificuldade. Sempre reforçando o estudo com teoria e questões. Nesse contexto, é imprescindível um planejamento detalhado para curto, médio e longo prazo.

Ainda assim, Elizabete Moreira não crê que o ideal seja estudar para a área Fiscal e para a área de Controle ao mesmo tempo.

Como começar a estudar?

Para quem está começando a estudar, ela recomenda iniciar pelas matérias básicas. Aquelas que aparecem nos dois tipos de concurso.

Isso porque, no início, pode ser mais difícil diferenciar e escolher entre uma delas. Por falta de conhecimento do trabalho executado, preferência, entre outros fatores.

Nesse sentido, talvez seja melhor deixar as mais específicas para quando esse conhecimento tiver se solidificado melhor.

Por outro lado, a auditora de controle frisa que algumas exigem mais tempo de estudos do que outras. Por exemplo, Contabilidade, que aparece nas duas, e Direito e Legislação Tributária, as duas últimas fundamentais para a área Fiscal. Neste caso, é importante que o estudo dessas disciplinas se inicie logo.

Por fim, Elizabete Moreira relata que conhece muitos atuais servidores que iniciaram seus estudos focando na área Fiscal mas, diante da expectativa de concursos na área de Controle, acabaram migrando e se deram muito bem.

Ela ainda reforça que, além de criar uma boa base nas matérias básicas, é necessário estudar com muito afinco Contabilidade Pública, Administração Financeira e Orçamentária e Controle externo. Todas são fundamentais para a aprovação.

Você ainda tem dúvidas sobre a diferença entre a área Fiscal e área de Controle? Deixe nos comentários! E continue acompanhando o Blog da Folha Dirigida para mais dicas de estudo para concursos.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *